Namorando seu marido

Há privilégios que não devem ser compartilhados até que ele se torne seu marido e é importante criar limites que o ensinem a respeitar seu corpo e seu espaço. Quando você está namorando, um pequeno mistério percorre ao longo do caminho. Enquanto você pode ser tentada a compartilhar todos os seu segredos e deixar ele saber tudo sobre ... Como Fazer seu Namorado Prestar Mais Atenção em Você e Menos nos Amigos Dele. Estar em um relacionamento pode ser complicado. Muitas vezes, podemos sentir que estamos competindo com o resto do mundo pelo tempo e atenção da pessoa amada.... Para o sonho de seu marido representa a forma como o seu relacionamento com ele é e o parecer do seu subconsciente para ele. É importante analisar o papel do seu marido no sonho, e como você se sente sobre ele. Se você sonho de ter um marido, quando a falta de um em sua vida real, ela simboliza um novo relacionamento ou compromisso.Ela também pode representar atributos de seu pai que ... Eu hoje quero namorar com você como no começo da nossa vida juntos. Preciso sentir seu abraço enquanto lhe beijo o rosto com respeito. Quero que você me ame, meu marido, e que eu o ame também. Feliz Dia dos Namorados! É bom demais estar casada com alguém tão generoso que admiro da cabeça aos pés. Você é o homem dos meus sonhos, o ser humano mais lindo deste planeta. Meu bem, saiba ... Para o sonho de seu marido representa a forma como o seu relacionamento com ele é e o parecer do seu subconsciente para ele. É importante analisar o papel do seu marido no sonho, e como você se sente sobre ele. Se você sonho de ter um marido, quando a falta de um em sua vida real, ela simboliza um novo relacionamento ou compromisso.Ela também pode representar atributos de seu pai que ... Agora que você já sabe algumas das possíveis causas da falta de vontade de fazer sexo com o seu marido ou namorado, em seguida te indicamos algumas das melhores técnicas para saber como aumentar o desejo pelo marido: . Encontre a origem do problema. Reflita profunda e amplamente sobre a situação que você atravessa até encontrar verdadeiramente a origem da falta de vontade de ter ... Seu namorado pode sentir-se mais confortável quando você se comunica de modo direto, como ao dizer 'Gostaria que passássemos mais tempo juntos'. Talvez ele sinta-se mais confortável com a comunicação indireta, como ao dizer 'Me divirto quando estamos juntos. É uma pena que não possamos fazer isso com mais frequência'. Para ver o seu marido é explicada como o sonho com simbolismo importante para o sonhador. Este sonho significa que seu relacionamento com seu marido e os subconscientes sentimentos que você tem para com ele. Sonhar que você tem um marido (mas você não está em sua vida de vigília), simboliza a algum tipo de parceria e/ou compromisso. Muitas vezes, é também representante das qualidades ... 20 Maneiras mais inteligentes de destruir a amante do seu marido e fazer ele esquecer ela para sempre. Quando digo destruir aqui quero dizer: Como fazer o marido esquecer de uma vez por todas a amante.. O objetivo desse artigo é lhe dar dicas práticas de como fazer o marido esquecer a ideia de ficar com uma amante no casamento.. Dói saber que seu marido está amando alguém para amar lá fora. Seu namorado ou marido começa a comprar presentes para você… muitos presentes. Esses presentes também são por causa da culpa. Seu namorado ou marido se sente culpado por estar traindo você… e te encher de presentes faz ele se sentir melhor. O comportamento do seu namorado ou marido faz você ter uma intuição de que algo está errado.

Fui a babaca por falar do namoro escondido da minha irmã para a minha mãe?

2020.06.21 02:10 nonchu_ni Fui a babaca por falar do namoro escondido da minha irmã para a minha mãe?

Olá lupinha, gatass, editores, papelões vivos e mortos e turma que estar a ver.
Hoje vim contar uma história que ocorreu no ano passado aqui em casa, porém, mesmo que tudo já esteja resolvido, eu queria opiniões de outras pessoas. Vou chamar minha irmã de Varls e o namorado dela de Brals (?). Bem, tudo começou no meio de 2018, eu estava no segundo ano do ensino médio e estudava de manhã. Quando eu chegava em casa, depois da escola, tinha um homem, que eu não conhecia, no quarto da minha irmã. Eu não sabia que eles eram namorados, pois eu pensava que era amigo dela. Depois de um tempo eu descobri o seu nome, e com ajuda da minha outra irmã eu descobri que na verdade ele era marido de uma amiga da Varls. Fiquei confusa, já que o filho do Brals era afilhado da minha irmã Varls, então ela estava namorando o pai no afilhado dela. Fiquei quieta no começo, mas depois de um tempo começou a me irritar. Eu e Varls não somos muito próximas, por mais que a gente morasse na mesma casa, ela tinha feito muitas coisas comigo, e por causa dessas coisas que não consigo mais considerar ela como minha irmã. Eu contei pra minha mãe sobre as idas de Brals lá em casa e minha mãe ficou com raiva, já que Varls nunca contou pra ela que estava namorando. Um dia minha mãe pegou Brals com a Varls lá em casa de manhã, minha mãe ficou furiosa e expulsou ele de casa, disse que não queria ver ele e que ele não deveria voltar mais aqui em casa. Porém, Varls é rebelde, e enquanto minha mãe trabalhava Barls ia lá em casa escondido. Então contei pra minha mãe de novo. Um dia minha mãe esperou Varls voltar do trabalho e elas começaram a brigar. Varls lançou muitos comentários maldosos sobre mim, dizendo que eu só estragava a vida dela, entre outros. Uma coisa normal até, minha vida toda foi ouvindo comentários horríveis da Varls sobre mim, e por isso minha auto-estima não é uma das melhores hoje. Minha mãe até tentou expulsar Varls de casa, porém meu pai não deixava. Hoje Varls mora em outra casa com Barls e nosso relacionamento entre irmãs é um dos piores que já vi. Mas a minha pergunta é, fui a babaca por contar pra minha mãe sobre Barls e "estragar" a vida de Varls?
Desculpa o texto longuíssimo Beijos <=3
submitted by nonchu_ni to TurmaFeira [link] [comments]


2020.04.24 22:31 desonradoimperdoavel Conflito Interno

Desde da infância sempre quis ajudar os outros, isso sempre foi visível, mesmo eu sendo tímido e envergonhado ajudava no que era preciso, mas, com o tempo isso foi mudando, e muito.
Sempre ajudei meus familiares com o que eles precisavam desde de pequeno, ir a feira com a minha avó comprar verduras, ir ao mercado e coisas assim, com o tempo isso foi mudando, diversos acontecimentos vieram, e agora, questiono se ainda sou alguém bom, ou apenas uma pessoa que usa uma máscara para esconder a real face. Tentarei contar em ordem da infância até os dias atuais, tentarei, já que alguns acontecimentos recentes estão mexendo comigo, e posso acabar me confundindo.
A alguns anos atrás tentei ajudar um colega, que veio ser um grande amigo, mas às vezes questiono um pouco a sanidade dele, ele estava chorando por ter perdido em uma luta no treino de judô, fui dar um apoio, e recebi em troca um grande soco no estômago. Fiquei um tempo sem falar com ele a pedido do diretor, ele veio pedir desculpas depois de um tempo. Depois de alguns anos descobri que ele tinha problemas de raiva.
Outro caso aconteceu com outro colega, que por pura maldade veio e me deu uma mordida no ouvido, não me lembro se doeu ou não, mas foi o suficiente pra eu revidar com um chute, os professores pediram pra eu pedir desculpas, sendo que ele começou, eu me recusei. Quem me contou sobre o acontecido foi minha mãe, já que eu nem me lembrava sobre isso.
Sempre ajudei uma colega de classe, eu gostava dela, e esse sentimento durou anos, até que ela me iludiu de uma forma que guardo com rancor até hoje (não quero entrar em detalhes), logicamente não demonstro esse rancor, mas o desconforto é enorme.
Estava tendo uma festa embaixo no apartamento aonde eu moro, eram amigos da minha mãe, e como ela foi, eu fui junto. Estavamos brincando de pique-pega ou algo parecido, até que uma garota foi sem olhar para os lados, e um carro pegou ela no meio da estrada, fiquei em apenas olhando, me sinto culpado até hoje, já que eu era o mais próximo, em distância, e poderia ter feito algo.
Depois desse, acontecimento nada de mais veio a ocorrer, mas eu sempre via notícias no jornal de assassinato, tráfico e esse tipo de coisa, pois era o que minha família via, e eu era obrigado a ver, e sempre me questionei: Os inocentes morrem, e os culpados vivem? Não é justo.'' Criança inocente eu era. E também, não era apenas esse tipos de pessoa que me deixavam irritado, pessoas que também faziam coisas horríveis nas sombras pra ter de tudo, tipo político, mas, esse tipo de pessoa, consegue ser bem pior, irei contar mais a frente o porque.
Anos se passam, e quando eu vejo, eu sou o mais solitário possível, quase sem amigos, 4 ou 5 amigos no máximo, deixei de ser convidado a festas de antigos amigos, não tinha mais voz, já que, quando tinha trabalho em grupo, me colocavam em um e dane-se, o diretor dava uma olhada na composição dos grupos, e sempre havia uma panelinha, ele perguntava se estava bem naquele grupo, e pra não ser olhado de uma forma desconfortável e ser espancado de palavras dizia que: sim, estou bem aqui. E internamente, isso não era verdade.
Passei a sofrer uma espécie de bullying, era chamado de cabeção, também era chamado de China por um amigo, não era desagradável, também era chamado de Japa, que veio a ser um apelido no qual aceitei com o tempo, mas o cabeção, esse sim, era sim era desconfortável. Era visível no meu rosto que não gostava do apelido, era chamado assim pelo grupo da bagunça, no qual eu fazia parte, eu estava deslocado no momento, não me encaixava em lugar algum, e o grupo da bagunça parecia ser agradável, PARECIA, até que um certo dia ouve uma agressão física de um dos bagunceiros em uma das '' brincadeiras '', esse aluno, já tinha feito algo comigo a alguns anos, enfiando a po*[email protected] de um ponta de lápis pontudo no meu nariz, o caso foi levado ao diretor e posteriormente aos pais, ele não levou suspensão e muito menos expulsão, mas seu pontos de hábitos e atitudes foi zerado, e por incrível que pareça, quando eu fui no dia seguinte para sala de aula, não só os alunos bagunceiros, no qual eu já esperava, alguns outros alunos me olhavam de cara feia, fiquei com ódio no coração e queria gritar de raiva, mas não conseguia, então segui normalmente aquele ano, na esperança de o diretor me mudar de turma, e foi em vão, tive de aturar eles por mais 1 ano.
Acabei sofrendo de amor novamente, tolo novamente. Uma garota que era bem mais baixa que eu, ficava cantando k-pop no meu ouvido toda vez que tinha aula de educação física, no começo foi desconfortável, mas depois me acostumei, e quando ela não cantava me sentia sozinho, às vezes eu ia lá encher o saco dela, eu me sentia bem com ela, até que descobri que ela ia ir para Portugal, meu coração parou por 3 segundos, me senti profundamente triste, tive de seguir em frente, sem poder dizer o que sentia, o universo é capaz de nós atingir de uma forma imensurável, foi o que aprendi naquele momento. Recentemente soube que ela estava namorando, isso me atingiu, não sei porque, mesmo depois de 2 anos, isso me atingiu, fiquei triste por 1 mês inteiro.
Acabei por reascender antigas amizades, o que foi bom para mim, para minha saúde mental, que naquele momento estava péssimo, me sentia só e queria desistir de tudo, mas eles me deram um pouco de esperança.
Em algum momento acabei por refletir sobre mim mesmo, e vi que, não estava ajudando ninguém, pelo contrário, estava atrapalhando. Meu melhor amigo ( o cara com problemas de raiva) perguntava se eu estava bem, já que ele acompanhou certos acontecimentos bem de perto, menos os que eram fora do colégio, ele e os meus antigos amigos iam falar com diretor sobre minhas condições mentais, que estava instável, uma hora ficava triste, outra com raiva, e a que menos aparecia era a de felicidade. Soube que eles estavam falando sobre mim pelo próprio diretor. Fiquei com raiva deles, mas, principalmente de mim, como pode alguém que sempre quis ajudar os outros, trazer preocupações para outros? Patético. Nesse momento vi que não estava ajudando ninguém, e meu sentimento em relação a isso começou a atrapalhar, não só no colégio, mas também, em casa.
Minha mãe, sempre foi estressada, e sempre reclamava das minhas notas, que admito, eram péssimas, mas o tom no qual ela falava, me deixava deprimido por 2 ou 3 dias, bem, isso antigamente, agora quando ela fala assim comigo, a única coisa que consigo sentir é raiva, eu sei eu sei, não se pode sentir raiva da mãe, mas, ela nunca NUNCA EM MOMENTO ALGUM me chamou pra sentar de forma calma, tento argumentar com ela, mas ela sempre diz: ESTÁ ME RESPONDENDO? Não sei se após ter um filho o adulto fica louco e acha que tudo é reclamação, mas, sempre ela falava isso.
Agora sobre as pessoas que fazem para ter de tudo nas sombras, bem, eu conheci alguém assim, e foi uma experiência de se levar pra vida. Era uma garota linda por fora, mas por dentro, o negócio era mais escuro que maçã podre. Ela iludiu um garoto por 3 anos só pra se aproximar das amizades dele, se relacionou com 2 garotos populares e depois de 1 anos terminou, e ainda iludiu meu outro melhor amigo, quase que entrei nessa, mas por sorte, esse meu amigo me avisou e rapidamente sai dá furada. Tenho certeza que os pais são iludidos também, fizeram uma festa de 15 anos belíssima, no qual eu fui convidado assim como outros, ela chorou e etc e etc, fiquei tão envergonhado de ver alguém manipuladora encenar daquela forma, que fingi estar um pouco mal, e ficar no meu canto. Tenho contato com ela até hoje, mas raramente ela puxa assunto, já que eu me recuso a mandar algo.
Depois tive uma irmã, e, meus amigos, minha vida virou de cabeça pra baixo. Ninguém me da atenção quase, só o meu avó e minha avô, minha mãe ela vem só pra puxar o saco de todo mundo e falar '' tô sem dinheiro e meu marido precisa rodar'', e ainda usa minha irmã como arma, PQP, fiquei tão irritado, que nem falo mais nada com a minha avó, deixo ela decidir se vai ferrar ainda mais com a saúde dela, porque minha mãe só traz problemas, essa é a verdade, POR EXEMPLO: FERRAR COM A PORRA DO ESTÔMAGO COMENDO COISA QUE NÃO DEVE, JÁ QUE ELA FOI AO MÉDICO E ELE RECOMENDOU NÃO COMER NADA GORDUROSO, MAS NÃÃÃÃO, COME DO MESMO JEITO E CULPA MINHA AVÓ E DANE-SE. TIVE DE SEGURAR ELA PRA ELA NÃO SE MATAR, PORQUE ELA DISSE QUE IA METER UMA FACA NA BARRIGA. AQUILO MEXEU COM O MEU PSICOLÓGICO NAQUELA NOITE.
Conheci o personagem Midoriya de My Hero Academia, e rapidamente gostei do personagem, queria ser igual a ele, mesmo quebrando o corpo por completo, ajuda os outros, mesmo que isso seja dar a própria vida, mas, não consigo, toda vez que tento ajudar sou jogado de lado logo depois, sou tratado como alguém descartável, e isso está me enchendo de fúria e raiva.
Eu quero ser alguém bom, mas, simplesmente não vejo outra alternativa e ser um cara irônico a todo momento, ignorar os outros e seguir a vida do modo FODA-SE tudo e todos. A única coisa que queria agora, era ter um momento de paz.
submitted by desonradoimperdoavel to desabafos [link] [comments]


2019.07.09 12:18 lipherus Íbis — Capítulo I

Bom dia, é a primeira vez que escrevo em primeira pessoa e gostaria de opiniões. =)
“A voz dos deuses e escolhida de Thot. No começo, era apenas uma Oráculo. Depois, uma bruxa queimada na fogueira do deus pagão. Espírito vagante sem salvação. E agora, protegida pelo crepúsculo Retorna aos braços d’Aquele que sempre a amou. Sob as asas d’Ele, ela se abrigou. E descansou.”
O pequeno e singelo poema cortou o silêncio do salão. Eu estava trêmula e ofegante, pois estava atrapalhando a palestra do meu professor e a grande oportunidade de sua carreira. Os estudiosos olhavam para Heru e depois para mim, à espera de alguma cena dramática que não aconteceu. Ele apenas desceu do palanque e me alcançou, sorrindo e igualmente trêmulo ao tomar o papel de minhas mãos. Murmurou agradecimentos e disse estar surpreso com a tradução, porque aquelas palavras deixavam explícitas que os antigos egípcios eram capazes de prever o futuro. Prometeu uma conversa sobre o papiro depois e pediu que eu me retirasse, mas não sem antes me agradecer de novo. Ao fechar a porta, explodo em lágrimas emocionadas e cansadas. Traduzir o poema foi um trabalho árduo de quase quatro anos, para no final descobrir que Thot havia se apaixonado por uma mortal e enterrou seu corpo em uma tumba sem glamour. Ele queria que sua amada permanecesse anônima, mas que ainda soubessem a quem pertencia. Ela não tinha um nome e sequer corpo, todavia sua existência estava cravada nas paredes de pedra do sarcófago. Levanto-me orgulhosa e volto para o laboratório, à procura de mais pistas sobre os amantes. Havia algo que ainda não tinha visto nas marcas e, mexendo em alguns pertences, um pingente em forma de meia lua cai no chão. Não sou perita em metais preciosos, mas sei que seguro algumas boas gramas de ouro puro. Procuro por escritos no verso da peça, e nada encontro, salvo os hieróglifos que remetiam a Osíris e Thot. Um presente para o deus do submundo? Depois de catalogar o colar, volto minha atenção aos textos até sentir dor de cabeça e sentar na cadeira. — Nailah, o professor Heru te chama no salão de convenção. Engulo em seco e vou até ele, esperando uma bronca por ter interrompido a palestra. Porém, ao entrar, fui recebida por salvas de palmas fervorosas. Ele me abraça e pede que explique aos demais sobre a descoberta, já que o mérito da tradução é todo meu. Sinto um misto de vergonha e emoção, porque Heru não tomou os créditos para si e deixou que eu, uma mera assistente, falasse aos melhores profissionais do mundo por horas a fio. Ele ficou ao meu lado para explicar alguns termos que não conheço, simplificar perguntas e traduzir algum outro idioma que não entendo. Ao terminar, pude respirar. Estou tão cansada que é difícil manter os olhos abertos e pensar, mas eu ainda preciso falar com ele. Despeço dos outros por alguns minutos e Heru me abraça de novo, sugerindo um jantar antes de irmos para casa e dormir. Aceito e nós fechamos o laboratório depois de pegar algumas coisas. "Sob as asas d’Ele, ela se abrigou.” É engraçado como essa frase ecoa na minha cabeça quando estou andando lado a lado com Heru. Eu o conheço há quase dez anos e nunca deixei de me sentir protegida e iluminada por sua presença. Ele é alto e imponente, com a pele tão preta que é quase avermelhada, e olhos espertos e pretos. Mas, basicamente, Heru Monterrey é um cachorro grande e bonachão que ladra e não morde. É muito fácil deixá-lo magoado e à beira de lágrimas, se quer saber. E eu amo ver esse lado sensível e frágil do meu professor, pois o torna humano e acessível. Ninguém imagina que um pesquisador de renome como ele é coração mole. — Eu encontrei isso. — entrego o colar em suas mãos. — Estava perdido no meio dos papéis. Parece que é uma oferenda a Osíris e Thot. — Ou uma oferenda de Thot para Osíris? Coço a cabeça e suspiro. — Não tinha pensado nisso. — confesso. — Nailah, você está esgotada e eu acho que deva tirar umas férias. — ele toca no meu rosto. — Eu estou pensando em dar um tempo também, podemos viajar juntos. — Quem convida é quem paga, viu? — empurro ele com meu ombro e sorrio. — Seria uma bênção poder dormir até tarde. — Pode ficar com a lua. Pego o colar e olho pra ele, chocada. Sabe-se lá de quando é a oferenda e Heru estava entregando casualmente pra mim, como um pingente comprado numa loja qualquer. Abro a boca inúmeras vezes, mas nenhuma palavra decente sai dela e só me limito a levantar as tranças pra facilitar o trabalho dele. Heru me julga por um tempo, ajeita e mexe no colar até deixá-lo bem em cima do meu coração e ficar satisfeito. — Tem certeza? — murmuro. — Isso é da sacerdotisa e não quero que Thot venha me assombrar. — Se Ele deu pra amada d’Ele, acho que não ficará bravo se eu der pra minha, não acha? Abaixo os olhos, subitamente tímida. Nós sempre brincamos com nossos colegas, que consideravam-nos namorados, mas ele nunca falou tão sério quanto aquele momento. Mordo meus lábios e seguro sua mão, sem dar resposta, mas deixando claro que se aquele é o sentimento dele, então é recíproco. Às vezes palavras não ditas fazem mais efeito do que aquelas expressadas aos quatro ventos. — Comida japonesa? — Heru pergunta para quebrar o gelo. — Depois umas doses de anti-histamínico pra não morrer de alergia? — Combinado. Saber que ele é apaixonado por mim tanto quanto sou por ele fez um bem danado pra minha auto-estima. Se antes e em algum momento da minha vida achei que não era bonita ou capaz, estava completamente enganada. Ouvir dos lábios dele que minha inteligência e devoção foram fatores cruciais para que ele se interessasse, tornou-me tão inchada quanto um balão. Depois, Heru começou a enumerar minhas qualidades físicas e só parou quando eu estava com a cara quente e prestes a surtar. Eu sou brasileira e me orgulho disso. Meu país tem os problemas dele, assim como os Estados Unidos também têm, mas nunca pensei que estudar na Unesp ia me levar até onde estou. Lembrei das noites acordada estudando infindáveis textos, das vezes que quis desistir e da minha felicidade por ter sido aprovada na faculdade que ele dá aula. E passei a amar meu corpo em forma de pera, os cabelos trançados e coloridos e, acima de tudo, a cor da minha pele. Antes tinha um grande tabu comigo mesma, por ser preta e ter uma posição de destaque, mas conforme fui aprendendo na faculdade e com a vida, percebi que estar ali é um mérito do meu esforço triplicado. No final da noite, eu e Heru transamos e dormimos juntos. Foi o momento em que eu o vi mais vulnerável, conheci cada cicatriz de seu corpo, os problemas que tinha, as marcas... Tudo. Ele se entregou completamente e assim também fiz, mostrando-lhe as feridas que tenho da época em que me afundei em depressão e cortei meus braços e pernas. — Bom dia. — ouço seu preguiçoso resmungo enquanto ele aperta minha barriga. — Agora posso morrer em paz. — Quer parar com isso? — começo a rir e abro meus olhos. — Bom dia. — Eu sempre quis apertar sua, como é que você chama? Pança. — seu português falho é particularmente adorável. — Eu amo essas dobras, sabia? — Heru! Para, sua mão tá gelada! — Tá bom, tá bom. Permissão pro abraço? — Concedida, senhor Monterrey. Enquanto ele toma banho, vou preparando o café da manhã. É inconsciente, mas eu checo minha barriga e conto as dobrinhas, três no total, pensando em como Heru pode achar aquilo interessante. Ouço seus passos ecoando pelo corredor e me viro para olhá-lo, namorando a cena do homem enrolado na toalha e molhado ainda. Ele se aproxima e ajeita a lua, jogando as tranças sobre meus peitos para tapá-los e evitar que eu pegue mais friagem. Seguro sua mão em meu rosto e fecho os olhos, sorrindo como a trouxa que sou. — Vai querer viajar? — Onde pretende ir? — roubo um selinho dele antes de servir a mesa. — Não vai entregar o artigo científico sobre a tradução? — Não está escrito em lugar algum que sou obrigado a trabalhar durante minhas férias. — ele dispara. — Pensei em alguma praia, sei lá. — Negão desaforado. — acerto a colher de pau na cabeça dele. — Praia é muito clichê e eu não sou muito fã do frio. — Patroa difícil de agradar, viu? Sento ao seu lado e começo a rir. Ele está tão à vontade que até parecemos casados há eras, e eu só sinto que vou desmanchar de felicidade. Nós conversamos um pouco mais sobre a tradução e Heru corrige o inglês, reclamando do quanto sou ruim para escrever. Tal afirmação me ofendeu um pouco, já que escrevo fanfics durante minhas folgas e nem formado nisso ele é. Começo a julgá-lo em silêncio e ele percebeu que tinha me magoado, em seguida pediu desculpas atrapalhadas e disse que ama minha escrita. — Como você imagina Thot de personalidade, Nailah? — Meio parecido com você, mas muito mais apaixonado pelo trabalho. Ele foi um carinha muito ocupado, até ajudar Osíris no submundo ajudou. — acendo meu baseado e deito no sofá enquanto Heru escreve no computador. — Curou o olho de Hórus quando Seth arrancou, depois ensinou magia para Ísis poder reviver o marido, luta contra Apófis quando Amon-Rá traz o sol... Tudo isso e ele ainda fez o calendário e desenvolveu os hieróglifos. — Você tem uma admiração enorme pelos deuses, hum? — A mitologia egípcia é linda, se me permite dizer. Tudo é tão conectado e diferente ao mesmo tempo... A gente não sabe nem um terço do que eles acreditavam e criavam. — E a sacerdotisa? — Não tenho uma imagem dela. — ofereço o cigarro pra ele. — Mas deve ser alguém de personalidade parecida com a de Thot, porque ela pegou o cara pelo colarinho mesmo. Uma pena que não seu nome em lugar nenhum, ia ser muito interessante conhecê-la melhor para entender como funciona esse lance de deuses e amores mortais. — Você viu isso? Sento no colo dele para ler o artigo de um colega nosso, o qual afirmava que Sekhmet e Anúbis tinha um relacionamento secreto. Para mim e meu conhecimento, a afirmação é errada pois eles eram deuses sem sintonia alguma. Ela é a deusa da guerra, tão furiosa que Rá precisou enganá-la com vinho para acalmar seu frenesi sangrento. Já ele parece ser mais pacato e melancólico, servindo fielmente ao propósito do julgamento da pena e à proteção da mumificação. Parecia impossível imaginá-los juntos. Ao terminar de ler, porém, comecei a ter minhas dúvidas sobre o que conhecia até então. — Será que existe algum documento que prova essa teoria? — Antes de Osíris ser quem é, Anúbis tinha o mesmo papel que ele. — Heru contestou ao soprar a fumaça na minha nuca. — Se Sekhmet matou os homens através de sua ira, é bem provável que tenha o encontrado durante a caminhada. — Mas tem uma teoria que diz que Sekhmet é uma face de Hathor e Bastet... Será? — Em Mênfis, ela foi esposa de Ptah e mãe de Nefertun até Mut e sua Tríade tomar lugar e ela passar a considerada como a própria Mut. Nossas informações são bem escassas e temos várias ideias do que pode ou não ser. Cada região tinha seu próprio mito, quem sabe o Richard esteja certo e apenas olhando para outro lugar que não vemos? Deixamos a discussão pra lá quando pegamos fogo levados pela maconha. Quando paro pra pensar nisso, me sinto um pouco culpada por levá-lo ao mau caminho, apesar dele ser bem mais velho que eu. Mas a erva funciona como uma válvula de escape para nós e não é algo que fazemos sempre, resumindo nossas brisas às escavações e trabalho. Pela primeira vez desde que fazemos isso, é que nos preocupamos em elevar a coisa para um nível mais pessoal e físico. Eu namoro o rosto distraído dele e lembro de tratar os arranhões que deixei em suas costas, ouvindo-o dizer coisas em árabe que não fazia nem questão de traduzir. Heru levanta-se num supetão e vira o meu colar, anotando os hieróglifos em um papel improvisado e resmunga ao voltar a deitar. Já sei que tenta entender a oferenda e pronuncia as palavras em sequências variadas, até fazer sentido. Toco em seu lábio para fazê-lo se calar e me aninho em seu abraço. Só hoje, querido, não falemos em trabalho. Roço meu nariz por seu rosto quadrado e reclamo da barba áspera, mas sinto-me protegida por seus braços e mãos sempre geladas. Heru beija a minha testa e desenha com os dedos na minha bunda, me fazendo rir. Ele se lembra de me agradecer pela tradução de novo e mais outras vezes, reforçando o quão honrado se sentiu por me ter como sua assistente, amiga e agora parceira. Confessa que estava a um passo de desistir do texto e eu, novamente, rogo-lhe que não falemos de trabalho. Mas meu amado professor não está contente e me implora para que façamos um artigo sobre Thot e sua amante ao voltarmos de férias.
submitted by lipherus to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.02.15 04:47 throwaway901xm Namorei um menino pela internet por 6 anos sem nunca nos vermos pessoalmente. Tô aqui lembrando os piores momentos.

Meio longo, mas preciso desbafar.
Ele era da minha cidade, amigo de um parente meu, mas se mudou pro exterior. Quando ele já tava fora do país há alguns anos, esse parente nos apresentou pela internet porque sabia que gostávamos das mesmas coisas e tal. Isso foi por volta de 2011. Então eu sabia que ele era quem ele era já que tínhamos alguém em comum em nosso círculo social. Éramos muito parecidos. Não tínhamos experiência nenhuma sexual ou romântica, gostávamos de muitas coisas similares. Ele era poucos anos mais velho que eu, mas em geral era como se tivéssemos a mesma idade (eu tinha 19 e ele 22).
Enfim, depois de muito conversar a gente começou a gostar um do outro e resolvemos namorar. Ele jurava que viria me ver "logo que possível" mas nunca arrumava um trabalho. Não era 100% culpa dele, ele tava em desvantagem porque não fez cursos nem terminou a faculdade. Mas enfim, ele procurava pouco, e quando recebia um não, ficava cada vez mais desanimado. Foram uns dois anos assim. Minha família era contra, eles eram muito religiosos e queriam que eu casasse com algum menino religioso da igreja deles e não com alguém que eu conheci na internet e vivia do outro lado do mundo. Então eu acabei tendo muitas brigas em casa pra parar de falar com ele. Eu era maior de idade, eles só eram puta controladores mesmo. Eu era louca por ele, mas nada dele vir me ver. Eu pegava no pé pra ele ir atrás de um emprego pra gente poder se encontrar, mas não dava pra fazer muito assim tão longe dele. Sustentado pela mãe, era fácil pra ele se acomodar. Só jogava videogame e ia pra academia...
Enfim, nessa enrolação toda eu resolvi começar a faculdade. Ele meio que fez um pequeno escândalo porque tinha ciúmes já que minha rotina iria mudar dramaticamente, mas eu fui assim mesmo.
Ele tinha um dinheiro economizado (bastante por sinal) e ele resolveu comprar um cachorro de raça. Simplesmente do nada. O cachorro foi tão caro que dava pra ele ter comprado a passagem pra me ver. Eu estava esperando há anos pra vê-lo e aí ele, desempregado, gastou todo o dinheiro num cachorro chique. Se queria ter um, por que não adotar um já que nem dinheiro ele tinha?
Isso enfraqueceu nosso relacionamento e terminamos. Sentia que ele me amava mas ele não tomava atitude nunca.
De vez em quando ele aparecia do nada pra dizer como tava feliz e abençoado, blá blá blá, que agora ele bebia e era cool. Arrumou um emprego e ficava se gabando que ele iria se mudar pra outro lugar e finalmente viver longe da mãe dele. Um dia ele pegou e me disse que não era mais virgem. Me bateu muito ciúme. Perguntei com quem tinha sido, que eu pelo menos esperava que tivesse sido com alguém que ele gostasse. Aí ele me diz que ele pagou uma prostituta. Que foi em várias na verdade. E que ficou com outra garota por aí. Doeu, mas era a vida dele. Jurei nunca mais falar com ele já que ter ciúme me fez perceber que não tinha superado totalmente.
Passou um ano e pouco. Um belo dia um de nós fez aniversário, não lembro bem se ele ou eu, e voltamos a nos falar. As semanas foram passando e fomos nos reaproximando. Fui idiota pela milésima vez e reatei com ele. Parecia uma maldição porque novamente ele estava desempregado. Fora isso, ele estava tendo problemas com o visto dele. Ele já morava lá há anos mas o fato de estar desempregado há tempos fez com que ele perdesse o visto. Implorei pra ele voltar. Nessa época eu estava recém formada, mas já tinha um trabalho onde eu estava há um bom tempo. Eu disse pra ele que a gente poderia construir nossa vida, que bastava ele vir.
Bom, ele tinha síndrome de vira-lata e só falava mal de brasileiro. Mesmo vivendo de forma ilegal onde estava, queria ficar lá porque "brasileiro é horrível" e tudo era motivo pra ele falar mal do próprio país apesar de assistir novela da Globo todo dia porque a mãe dele comprou o canal internacional. Apesar de ter família no Brasil, pessoas que estavam prontas pra o acolherem, ele não queria vir por birra e preferia ser pego pelas autoridades e forçado a voltar de forma humilhante do que vir por contra própria.
(Falar mal do Brasil e do brasileiro era hobby pra ele. Ele falava umas mil vezes por dia apesar de ser brasileiro e ter cara de brasileiro, e família 100% brasileira. Gostaria de adicionar aqui também que, apesar de pardo, gostava de se dizer branco e ficava ofendido quando qualquer pessoa dizia que ele era moreno. Ele também gostava de dizer como eu era branca, então acho que ele tinha algum problema sério com a pele dele e país de origem).
Nessa época ele descobriu que pegou herpes. Vai saber de quem, mas ele achava que não era das prostitutas e sim da garota com quem ele ficou. Ele ficou super triste e quis terminar comigo. Não deixei, mas foi outro baque pra mim.
Lembro que o povo começou com a onda do vape nessa época e ele quis comprar um com dinheiro que a mãe dele deu pra ele. Ele falou pro vendedor que não era fumante mas queria comprar mesmo assim. O vendedor falou pra ele não comprar e disse que não valeria a pena. Acredita? O próprio vendedor que tá lá supostamente pra vender qualquer coisa pra trouxa, disse pra ele não gastar. Quando ele me contou essa eu quis meter minha cabeça na areia.
Sem emprego, deprimido, síndrome de vira-lata. Agora com uma DST. Eu sabia que não iria mudar, não iria.
Terminei com ele. Mesmo sabendo que era o melhor pra mim, chorei muito. Foram longos anos juntos. A mãe dele me mandou mensagem e me ligou várias vezes pra dizer como ele tava sofrendo. Acho que ela gostava muito de mim porque sabia que estávamos juntos há anos e que eu estava ouvindo as promessas sem pé nem cabeça dele desde o fim da minha adolescência. Eu gostava dela, mandei doces pra ela algumas vezes.
O tempo passou. Conheci alguém novo de forma super casual, online também. Mas esse daí não perdeu tempo.
Ele era estrangeiro, mas pegou um avião pra me ver no Brasil assim que decidimos que queríamos nos ver. Foi um sonho. Um dia nós decidimos que queríamos ficar juntos de vez. Resolvi me mudar com ele. Hoje esse homem é meu marido, e eu sou muito feliz com ele.
Logo que eu me mudei o meu ex tentou falar comigo. Me ligou aos prantos porque descobriu que eu tava com alguém e que tinha viajado. A mãe dele entrou em contato comigo também, praticamente pedindo satisfação porque eu tinha desistido de vez do preguiçoso. Disse que o filho era um anjo, um amorzinho... Ela era religiosa pra caramba, então contei pra ela alguns dos podres dele porque na hora eu estava chateada porque eles estavam me perturbando. Falei que ele tinha ido atrás de prostitutas durante o tempo que ficamos separados, que tudo bem porque a gente não tava namorando mesmo na época, mas que eu queria que ela soubesse que ele não ficou chorando no quarto quando terminamos. Que no primeiro término ele tinha vivido e curtido, e que faria o mesmo dessa vez. Claro que ela não acreditou e disse que ele provavelmente só falou isso pra me deixar com ciúmes. Ok. Depois que nos despedimos, bloqueei os dois. Foi um grande alívio apesar de ter sido um momento um pouco triste. Foi o final de um capítulo muito longo pra mim.
Enfim, é isso. Tava pensando aqui em tudo o que rolou e queria colocar pra fora. Doeu tanto na época. Tanto mesmo. Eu fiquei com ele durante anos muito formativos pra mim. Eu sonhei muito com ele e em muitos momentos eu acreditei no amor dele, mas faltava atitude. Sempre faltou atitude. Às vezes eu me sentia idiota por estar esperando sozinha por tantos anos, mas eu não queria dar o braço a torcer. Não queria jogar tudo pela janela porque foi muito tempo e esforço que eu coloquei nesse relacionamento falido. Esperei por tantos anos pra ele vir me ver, pra nos encontrarmos... E no fim ele não veio. Quem veio foi outra pessoa, alguém que não só FALOU que me amava, mas DEMONSTROU isso diversas vezes, sem que eu precisasse fazer qualquer tipo de pressão. Lembrei que várias vezes ele fazia pressão emocional em mim pra que eu largasse tudo aqui e fosse atrás dele, mas eu não queria fazer isso porque queria ver iniciativa da parte dele. Pelo menos essa burrice eu não fiz, o preço teria sido alto.
E no fim das contas quem viajou fui eu, pra um país completamente diferente, enquanto ele provavelmente ainda está lá onde morava, com o seu cachorro chiquérrimo vivendo com a mãe dele e fugindo das autoridades que querem mandar ele embora e tentando esconder de si mesmo que ele é, como eu, um BR no exterior. A vida é engraçada.
Termino esse post com um obrigada a qualquer um que tenha lido este desabafo. Me sinto melhor agora, foi bom colocar tudo isso em palavras.
submitted by throwaway901xm to desabafos [link] [comments]


Mulher tem relação com outra mulher, casada, e acaba tendo ... Coloquei uma Câmera Escondida e Peguei Minha Esposa No ... Filha Apanha a Mãe Na Cama Com o Seu Ex-Namorado... e Pai ... imagine Jungkook como seu namorado Deixa o seu marido ou namorado ir para Casa das Primas Sua mulher/ seu marido/ seu namorado é agressivo?  AGRESSIVIDADE E RELACIONAMENTO Como Descobrir se seu MARIDO ou NAMORADO esta te traindo pelo FACEBOOK ou WHATSAPP A patroa deixou o marido sozinho com a empregada olha no ... Se o Seu Marido ou Namorado Pedisse Para Você Penetrá-lo, Toparia? NÃO SEJA MÃE DO SEU MARIDO/NAMORADO - PAPÉIS DESTRUTIVOS

Como Fazer Seu Namorado Amar Você Ainda Mais

  1. Mulher tem relação com outra mulher, casada, e acaba tendo ...
  2. Coloquei uma Câmera Escondida e Peguei Minha Esposa No ...
  3. Filha Apanha a Mãe Na Cama Com o Seu Ex-Namorado... e Pai ...
  4. imagine Jungkook como seu namorado
  5. Deixa o seu marido ou namorado ir para Casa das Primas
  6. Sua mulher/ seu marido/ seu namorado é agressivo? AGRESSIVIDADE E RELACIONAMENTO
  7. Como Descobrir se seu MARIDO ou NAMORADO esta te traindo pelo FACEBOOK ou WHATSAPP
  8. A patroa deixou o marido sozinho com a empregada olha no ...
  9. Se o Seu Marido ou Namorado Pedisse Para Você Penetrá-lo, Toparia?
  10. NÃO SEJA MÃE DO SEU MARIDO/NAMORADO - PAPÉIS DESTRUTIVOS

Coloquei uma Câmera Escondida e Peguei Minha Esposa No Flagra Como Descobrir se seu MARIDO ou NAMORADO esta te traindo pelo FACEBOOK ou WHATSAPP. Saiba mais acesse: www.bazarcerto.com.br Mulheres deixem seus namorados ou maridos sair com os amigos para ir na casa das primas para relaxar e Zuar com os amigos. A autora deste vídeo pediu ao seu ex-namorado, que é pai do seu filho, para levar a criança à casa da avó. Tinha tudo para ser uma situação normal, mas na ve... meu marido É explosivo e agressivo. QUERO ME SEPARAR MAS TENHO MEDO - Pergunte ao Psicólogo - Duration: 5:10. Douglas Amorim - Pergunte ao Psicólogo 3,989 views Imagine BTS - Jungkook como seu irmão, Bangtan gosta de você. Cap. Único (com vídeo) - Duration: 3:26. Imagine Bangtan 132,907 views SE INSCREVA NO MEU CANAL Anderson Augusto Moreno Email para contato [email protected] INSCRIÇÕES PARA ESCOLA DAS RELAÇÕES ENCERRADAS. Caso tenha interesse em participar da próxima turma entre na lista de espera no link abaixo: https://bit.ly/2L8RZa4 Instagram: @fe.cavalari. Se o Seu Marido ou Namorado Pedisse Para Você Penetrá-lo, Toparia? Daniele Leite a Conselheira Amorosa. Loading... Unsubscribe from Daniele Leite a Conselheira Amorosa? Canal oficial do Cidade Alerta, programa jornalístico da Record que vai ao ar de segunda à sexta.